sexta-feira, 30 de julho de 2010

Ah e tal... a vida é curta...

... e não vale a pena chatearmo-nos.

Será que é assim? Eu acho que, exactamente porque ela tem duração limitada e somos perfeitos desconhecedores da mesma, devemos mesmo chatear-nos quando isso signifique lutar para que os dias que ela nos dá sejam mais coloridos e plenos de motivos de viver.

Não à sede de estar em tudo e em todas só para dizer que se desfruta tudo ao máximo. Será que se desfruta assim tanto? Não valerá mais fazer menos mas com mais sentido?

Não à aceitação das injustiças de terceiros para connosco só porque, afinal de contas, até dá mais trabalho combatê-las. Se fomos dotados de coluna vertebral, devemos fazer uso dela para além do puramente físico!

Não à incompetência declarada e sua aceitação por omissão.

Detesto show-off sem qualquer conteúdo ou fundo de verdade associados.

Detesto passividade e seres amorfos daqueles que gostam de se dar bem com toda a gente.

Posso ser contestatária, impetuosa, radical, autoritária e tudo aquilo que de conotação supostamente negativa me queiram chamar mas, sim, prefiro-o anos-luz a tudo o que foi descrito atrás. São formas de viver e esta é a minha, verdadeiramente intensa, ainda que raramente em paz de espírito, dada a natureza da personalidade. Não me arrependo dos ímpetos, radicalismos e autoritarismos, mesmo que isso implique ser considerada um mau elemento. Felizmente, o mundo ainda contém pessoas que pensam e agem desta forma, e, diga lá o que se disser, são esses normalmente que marcam a diferença e fazem o mundo avançar.

Curiosamente, nem houve nada que despertasse este desabafo. Se calhar, foi apenas um afloramento dos maus fígados.
.

2 comentários:

Renan disse...

Que texto!

Mais que suficiente para me fazer leitor do blog já na primeira visita.

:)

Dream on disse...

Muito obrigada! Volte sempre e espero que vá havendo "sumo" para comentar! Depende de mim, eu sei!