sábado, 19 de dezembro de 2009

The uggliest necklace ever

Não se deve dizer mal dos presentes de Natal, pois não? Aliás, para não demonstrarmos ser pobres e mal agradecidos não devemos dizer mal de presente algum. E para provarmos ser umas boas (excelentes!) almas devemos até dizer bem de tudo, não é? Paciência... eu serei um ser abjecto mas a verdade é que fui presenteada com uma coisa que para ser "cocó fumegante" só lhe falta fumegar. Sabem o que é abrir um presente, a pessoa perguntar-nos se gostamos, esboçarmos um sorriso escancarado e dizer com ar de agradecimento profundo "SIM!!!"? Mas ao mesmo tempo que o fazemos, temos a certeza que jamais envergaremos tal adereço e que o local mais apropriado será mesmo uma gaveta (arraçada de caixote do lixo) escura numas catacumbas de que o mundo se esqueceu.

A parte do cocó é mesmo a sério. Bolas castanhas de um material que nem me atrevo a imaginar o que será (com medo que seja o dito fossilizado, por exemplo) e que nos faz sentir uma sanita entre a defecação e o puxar o autoclismo.

Há coisas (pessoas) que nunca mudam!

2 comentários:

muguele disse...

Tu, para mim, nunca serás um se objecto!

(e que tal uma foto do artigo?)

Dream on disse...

Uma foto do artigo até nem era má ideia mas talvez seja um pouco denunciador. Mas pensando bem, as probabilidades de encontro mútuo são muito reduzidas... Quando, e se, a coisa, sair da mala do carro, vou tentar lembrar-me do teu pedido. Sempre dá mais colorido ao blog. Ou não. Hoje enquanto tirava algumas coisas da mala olhei para o embrulho protector (salvé!) e ainda me ocorreu mover a coisa. Mas depois pensei... hhhmmmm... acho que aquilo a ser movido é ali para aquela zona manchada de azul , verde e a amarelo na berma da estrada. Se é que me entendem.