segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Ha-des-de-le sequepeledepe...

Tão difícil de decifrar e entender como o título do post (se bem que eu acredito nas potencialidades de alguns de vós por aí e na falta de sentido crítico de outros...) é a sensação de aconchego que nos inunda e se deixa estar a apaziguar-nos a mente e a alma de quando em vez.

Não há negrumes nem vitórias laborais que consigam suplantar esta coisa de estarmos vivos, deixarmos viver e dar-mo-nos sem limites nem barreiras.

Ser como somos sem ter de fingir aqui e ali só para agradar e não chocar.

Dizer disparates até à exaustão sem nunca nos cansarmos (de nós próprios e dos outros).

Sentir aquela cumplicidade boa que se sabe que não se encontra a ponte a pé.

Esperar determinadas reacções e ditos alheios e sentir que podíamos ter sido nós a tê-lo-ziu.

E principalmente, acabar a jornada e não temer que não haja próxima.
.

4 comentários:

Brown-eyed Girl disse...

E ler este texto e pensar que podia ter sido escrito por mim... (ou não, porque não tenho assim tanto jeito com as palavras ;))

Dream on disse...

Mas tens jeito para massagens. E uma certa pessoa que o diga! ;)

Brown-eyed Girl disse...

Olha que não sei! O dor continuava lá, por isso a massagem não foi assim tão eficaz!
Deixa lá, para a próxima serás tu a alegre contemplada! :):):)

Tierri disse...

lol-se-me-te-se!!!