terça-feira, 27 de maio de 2008

Talento! Muitíssimo!

Esteve recentemente em exibição no Teatro Nacional de São Carlos, a ópera A Flauta Mágica, de Mozart, em versão Sub-16 (i.e. para petizes).

Sou uma leiga assumidíssima no que toca ao Bel Canto, mas acontece que a Rainha da Noite é uma menina excepcional que eu conheço há muitos anos, a Raquel Alão.



A Raquel começou o seu percurso (pelo menos, televisivamente falando) na 1ª (ou 2ª) edição do Chuva de Estrelas, participou em 1 (ou 2... glup!) Festivais da Canção e posteriormente dedicou-se exclusivamente ao canto lírico, tendo tirado o curso do Conservatório. Para os curiosos, é seguir o link ali atrás no nome.

Vi uma actuação da Raquel há uns tempos exactamente em A Flauta Mágica, desta feita com marionetas de Praga e, para além de ter ficado imensamente surpreendida quando constatei que ela fazia parte do elenco, e logo como Rainha da Noite, fiquei ainda mais deliciada quando a ouvi fazer um trabalho brilhante numa ária que consideram os entendidos como uma das mais difíceis de cantar.

As boas notícias é que parece que vai estar em cena de novo em Junho, em Almada. A não perder, meu amigos, a não perder. Se não acreditam, oiçam...

1 comentário:

Raquel Alão disse...

Só agora me deparei com este rasgado elogio. Corei... :-) :-) :-)

Não consigo é descobrir que é o/a autor/a!

Um grande obrigada e beijinhos!