domingo, 13 de abril de 2008

David Fonseca grows on you


Falar de David Fonseca não é, definitivamente, a mesma coisa que ouvir e ver David Fonseca. Até porque de cada vez que voltamos a fazê-lo, há sempre algo de novo que nos agarra quando menos esperamos que aconteça. 12 de Abril de 2008 será com certeza um dia que o David não vai esquecer tão depressa (palavras do próprio) e, mais certo ainda, um dia que eu também não esquecerei. E tal como eu, os espectadores atentos e vibrantes que enchiam o Coliseu de Lisboa. Voz, musicalidade, presença, imaginação, atitude, personalidade, são algumas das palavras que descrevem na perfeição este artista português. Para além de todos estes ingredientes já de si capazes de moldar um grande artista, o David junta-lhes uma grande dose de intimismo, o constante factor surpresa e uma ainda maior capacidade de comunicação e cumplicidade com o público. Entre originais (e um, mesmo, mesmo, original, que ainda não tem título definido mas que o David ali pré-denominou de Orange Tree) e covers, sempre combinados com grande mestria, ficamos sem saber muito bem qual o registo em que preferimos ouvi-lo. Cada música que acaba traz sempre uma sucessora à sua altura e a harmonia é tão evidente que nos faz acreditar que umas não resultariam sem as outras. O sonho do David acabou por terminar da melhor forma com uma cover que julgo nunca tinha cantado e que é uma das minhas músicas preferidas de sempre (faz parte da minha lista de 31, que um dia destes colocarei aqui no blog)- Electric Dreams de Giorgio Moroder - com o David e músicos trajados a rigor, quais personagens saídos do imaginário da criança que habita em cada um de nós. Foi uma noite espectacular e fico ansiosamente à espera das próximas emoções e surpresas porque sei que não irão faltar. Não seria justo acabar sem salientar a óptima performance da Rita Redshoes, que preparou o público da melhor forma para o estrondoso espectáculo, musical e cenicamente perfeito, que se seguiria.

3 comentários:

Tierri disse...

Ora em primeiro lugar, seja muito bem vinda ao mundo da blogosfera...
Pois de facto, David Fonseca consegue sempre surpreender e, até à data, sempre pela positiva. A mix do "Electric Dreams" com a versão dance (mais próxima da original) de "A little respect" foi a cereja em cima de um bolo já de si bem saboroso. Mas não te te esqueças da contribuição do senhor Phil Oakey - não fora ele, talvez a canção não fizesse parte das tuas 31...

Dream on disse...

Ora em primeiro lugar, seja muito bem vindo a este poiso. Pois, o Phil Oakey e o seu vozeirão contribuem em muito para a sonoridade da música. Digamos que foi uma combinação de sucesso.

muguele disse...

Cá para mim, quem "descobriu a pólvora" foi o Moroder. E nem foi só nesse filmito.